O que fazer quando sinto irritação? – 3 acções para uma vida impactante

Posted on Posted in Uncategorized

woman-546207_640Certamente já te aconteceu sentir irritação durante um dia, em que muitas vezes um dia transforma-se em dias. Muitos de nós não fazem nada em relação a estes sentimentos, ou melhor até fazem! Alguns realizam muitas tarefas na tentativa de que aquela dor que sentem se desvaneça (entenda-se por dor qualquer sentimento desgastante). O que usualmente acontece é que acabam por aumentar a dor. Quanto mais a ignoram, mais a irritação aumenta. Muitos acabam por descarregar nas pessoas mais próximas. Mesmo sabendo que elas não têm relação directa com o seu estado. É aqui que muitas vezes acontecem as discussões e mal entendidos. Ao ignorar a dor, e após já ter feito uma libertação imediata sem ponderação (como discutir com alguém), sentir uma sensação imediata de alívio. Mas pouco depois deste pequeno alívio volta novamente a dor. E perguntam-se: “Porque fiz isto?”

Ignorar a dor leva a muitas outras situações desgastantes. Um efeito bola de nova. Quando existe esta sensação de dor perguntam-se: “Porque fiz isto?” ou então assumem uma postura de desresponsabilização: “Eu sempre fui assim” ou “Eu sou assim”.

Será mesmo verdade? Será que não poderemos fazer diferente?

Eu acredito que sim, que podemos fazer diferente. Também sei que requer disciplina. Assumir a responsabilidade pela nossa vida, significa assumir a responsabilidade pelos nossos actos.

Se todos conseguimos?
Acredito que sim, pois vivo com a máxima que não existe uma pessoa mais especial que outra. Existem sim, pessoas com vontade de transformar a sua vida. Essas pagam o preço pela mudança. E com pagar o preço refiro-me ao esforço e à disciplina necessária para a mudança.

Aqui é que ocorre a grande diferença. Estes que estão dispostos a pagar o preço vivem uma vida mais plena, responsabilizando-se pelos seus actos. Os outros, que não estão dispostos, desresponsabilizam-se arranjando um conjunto de “desculpas” para permanecerem na mesma. Tanto uns como outros são especiais. A grande diferença está na capacidade de assumir a responsabilidade e viver uma vida de forma mais impactante.

Estes que assumem a responsabilidade tomam três acções que tornam a suas vidas mais plenas e impactantes:

1- Dão prioridade ao que estão a sentir
Quando sentem alguma dor eles não fogem dela. Primeiro de tudo permitem sentir os seus sentimentos. Quando percebem que estão a realizar muitas tarefas, numa tentativa de aliviar a dor, param de imediato. Assumem a responsabilidade pelo que fizeram e rendem-se. Sentem a dor e procuram libertá-la de forma adequada. Fazem um grande trabalho de auto conhecimento, por isso sabem quais são os seus melhores meios de libertação. Alguns exemplos são desde o exercício, passando pela escrita, gritar sozinhos ou simplesmente ficar em silêncio e prestar atenção ao que estão a sentir.

2- Procuram perceber de onde vem a dor
Em vez de culpar o mundo à sua volta pelo que estão a sentir, o que eles fazem é perceber o que desencadeou estes sentimentos. No entanto, eles não o fazem numa tentativa de apontar o dedo a quem quer que seja (nem a eles mesmo), fazem-no pela conquista de um maior entendimento de si mesmos. Uma coisa que eles têm em mente é: os sentimentos são deles, o que quer que seja que tenha acontecido, são eles que se sentem assim. A situação, pessoa ou acontecimento foi apenas um gatilho. Se continuarem a não fazer nada em relação ao que sentem, novos acontecimentos, irão desencadear o mesmo mal-estar.

3- Procuram novos caminhos, abrem-se a novas possibilidades
É certo que qualquer situação, seja ela mais ou mesmo problemática, pode ser o inicio de novos caminhos – se assim o quisermos viver. Estas pessoas após reflectirem sobre o que sentem, o que desencadeou e de o libertarem, entram num estado que lhes permite ver mais além. Traçam novos caminhos, assumem novas atitudes e arriscam novas metas. Estas pessoas têm uma visão clara do que desejam, por isso quando surge algo no caminho, elas não têm qualquer problema em mudar a sua visão, para que fique de acordo com os novos dados que viveram.

Esta pessoa és tu, assim que decides assumir a responsabilidade pela tua vida. Pagas o preço da mudanças através da auto disciplina, e te libertas de limitações como: “eu sou assim”. Claro que é algo que leva o seu tempo, existem altos e baixos. Mas a partir do momento que te comprometes com a tua transformação, alargas a tua visão do que é possível e novos resultados surgem na tua vida!

Deixa-me saber nos comentários como vives a transformação na tua vida. O que fazes quando sentes dor e de que forma fazes a tua libertação?

Ana Rita Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *